Barra do Garças - Mato Grosso - Brasil
Quinta-feira, 24 de abril de 2014
Tamanho da fonte: A- A+ PIONEIROS DO ARAGUAIA
6/11/2009 00:00:00 - 5844 Exibições

As Raízes da Tradição

ANA GARDÊNIA

Da Redação

Certos de que o tempo impiedosamente compromete a memória, o Barra Tradição resiste e insiste em manter as raízes culturais. É um centro de Cultura e História, fundado em 18 de agosto de 1990, com objetivo de preservar a cultura de Barra do Garças e região. A diretoria original tem nomes como o de Rui Dourado de Castro, o então presidente; Ubaldira Belém, que era a vice; Braulina Morbeck, a 1ª tesoureira; Antonio Mariano Tonhá, o 2º tesoureiro; Maria Auxiliadora Silva Sales e Maria Auxiliadora Nápolis Dourado, respectivamente 1ª e 2ª secretárias. Entre outros históricos integrantes estavam também Valdon Varjão, Renildes, Antonio Paulo da Costa Bilego e Nivaldo Rios, um dos idealizadores.

Eles pretendiam manter na vida e na lembrança o lado bom da história nativa: as festas, os bailes, as brincadeiras de roda, as reuniões das famílias.

DE VOLTA PARA O FUTURO
Nelcy Aires Siqueira Belém, presidente do Barra Tradição, conta que a cidade cresceu com população formada por gente de outras regiões, era natural que tivesse de tudo um pouco. A miscigenação cultural trouxe ao Vale do Araguaia contribuições do Nordeste ao Sul, tudo importante de se preservar.

A diretoria saiu do ritmo depois que perdeu a sede, que era localizada no Córrego da Voadeira. Agora pretendem retomar o passo e acelerar. Uma parceria com o Clube Peixinho promete novos tempos aos guardiões arquivistas das lembranças, objetos e fatos que compuseram o translado do cotidiano entre o passado e o presente.

VOCÊ SABE O QUE É BULICHO?
O Barra Tradição estabeleceu sua nova sede numa casa patrimônio, situada à rua Rafael Cardoso, esquina com a 1º de maio. Lá funcionou o primeiro açougue da cidade. Hoje o prédio do município foi cedido em comodato para abrigar as antigas relíquias, tais como um acervo fotográfico dos pioneiros e peças antigas que vieram de doações. Um ferro de passar roupas de brasa, torradeiras de café, balcão em madeira para cereais, máquinas registradoras do tempo do ronca, malas de viagem da época da vovó. E o bulicho. Você sabe o que é bulicho ? O nome veio do Nordeste, era um lugar de encontro de peões, a popular “venda” onde se comprava anotando a dívida na cadernetinha. No bulicho se vendia carnes salgadas, bebidas e artigos de mercearia e o bulicheiro fazia as contas no papel de embrulho.

Hoje a sede do Barra Tradição também é moradia de um artista. O pintor Miguel Lacerda usa seu estilo abstrato em óleo sobre tela e acrílico e também trabalha outros materiais. Ele é dessa geração que combina cultura com tradição.

Do ponto de vista conceitual Cultura vem de cultivar e traduz padrões de atividade humana e estruturas simbólicas que têm significado e importância para a sociedade. Já a Tradição refere-se à transmissão desse legado cultural, dos costumes, vivências, crenças e religião de um povo. Nesse sentido, o Barra Tradição não quer se limitar ao que ficou no passado, mas dissolver a barreira entre passado e presente.